MOÇAMBIQUE: “Situação é preocupante”, afirma Bispo de Tete face a novos ataques no norte do país, em Cabo Delgado

MOÇAMBIQUE: “Situação é preocupante”, afirma Bispo de Tete face a novos ataques no norte do país, em Cabo Delgado

Face ao evoluir da situação, D. António Juliasse, Bispo de Pemba, recomendou a alguns missionários, que estão em zonas mais expostas a eventuais ataques, para irem para “lugares mais seguros”. 

 

A situação é preocupante porque depois de um tempo de acalmia, [os terroristas] voltaram novamente a atacar. Esperemos que não seja nada de grave, para que novamente o clima de medo não se instale entre a população.” As palavras são de D. Diamantino Antunes, Bispo de Tete, numa mensagem enviada para a Fundação AIS em Lisboa, face ao avolumar de notícias de novos ataques de grupos armados na região norte de Moçambique, especialmente no distrito de Ancuabe, com diversos mortos, inclusivamente com pessoas decapitadas.

Um desses ataques, à aldeia de Nanduli, foi mesmo confirmado pelo presidente de Moçambique, na segunda-feira, dia 6 de Junho. “Ainda ontem [dia 5] atacaram a aldeia de Nanduli, no distrito de Ancuabe”, disse Filipe Nyusi, assegurando, no entanto, que a situação estaria sob controlo, “não obstante os actos de terrorismo que ainda prevalecem”. Como consequência imediata dos ataques, gerou-se uma nova onda de deslocados, cerca de 2500, segundo dados divulgados entretanto pelas autoridades.

E de facto, tal como disse o presidente moçambicano, os ataques prosseguiram e nos últimos dias houve mesmo incidentes, por exemplo na aldeia de Muaguide, na localidade de Ntutupue e na vila de Napuiliamuite, no distrito de Mecufi. Segundo dados a que a Fundação AIS teve acesso, no caso da vila de Napuiliamuite, os insurgentes, como os terroristas são conhecidos localmente, “raptaram muitos civis e várias casas foram destruídas”.

O ambiente é, efectivamente, de alguma tensão, incluindo na capital de província, a cidade de Pemba. Sinal de que as autoridades militares estão a levar muito a sério esta nova onda de ataques, a polícia moçambicana activou a escolta militar das viaturas que circulam na principal estrada de Moçambique, a EN 1, no troço entre Metuge e Ancuabe, após ter ocorrido mais um incidente grave, já no sábado, dia 11 de Junho, numa aldeia na região e de que resultou a morte a quatro pessoas.

Face a este clima de natural insegurança, o Bispo de Pemba, D. António Juliasse, pediu a diversos missionários que se encontravam nas localidades de Metoro, Mecufi e Mazeze que fossem para “lugares mais seguros”, como uma irmã descreveu numa mensagem enviada também para a Fundação AIS. Não foi uma ordem de retirada, mas sim “uma recomendação”. Ao todo, nestas três missões estariam entre oito a dez religiosos.

No início do mês de Fevereiro, a Fundação AIS dava conta já de uma situação de “tensão muito forte” na vila de Macomia, situada também na província de Cabo Delgado, onde, segundo uma religiosa, “muitas aldeias” foram atacadas, verificando-se ainda “o rapto sistemático de pessoas, principalmente mulheres e mães com suas próprias crianças”, o que contribuiu para o agravamento do sentimento de insegurança entre as populações locais.

Desde que os ataques armados tiveram início, em Outubro de 2017, já morreram mais de três mil pessoas. Como consequência directa da violência terrorista, há ainda cerca de 800 mil deslocados internos. Toda esta situação tornou Moçambique num país prioritário para a Fundação AIS no continente africano, especialmente no que diz respeito ao apoio aos refugiados.

A ajuda da Fundação AIS tem-se materializado nomeadamente em projectos de assistência pastoral e apoio psicossocial, mas também no fornecimento de materiais para a construção de dezenas de casas, centros comunitários e ainda a aquisição de veículos para os missionários que trabalham junto dos centros de reassentamento que abrigam as famílias fugidas da guerra.

PA | Departamento de Informação da Fundação AIS | info@fundacao-ais.pt

Relatório da Liberdade Religiosa

Embora os líderes cristãos e muçulmanos continuem a denunciar a violência e a promover o diálogo inter-religioso, num esforço de deslegitimação do jihadismo, tal será insuficiente se não forem abordadas as desigualdades sociais e económicas subjacentes que afectam os jovens, especialmente nas regiões mais pobres. As perspectivas para a liberdade religiosa continuam a ser desastrosas.

MOÇAMBIQUE

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *


The reCAPTCHA verification period has expired. Please reload the page.

918 125 574

Multibanco

IBAN PT50 0269 0109 0020 0029 1608 8

Papa Francisco

“Convido-vos a todos, juntamente com a Fundação AIS, a fazer, por todo o mundo, uma obra de misericórdia.” 
PAPA FRANCISCO

© 2022 Fundação AIS | Todos os direitos reservados.