Fundação de Ajuda à Igreja que Sofre - Fundação AIS
Rua Professor Orlando Ribeiro, 5D 1600-076 Lisboa, Portugal
(+351) 217544000 apoio@fundacao-ais.pt Fundação AIS 1995
Lisboa
https://fundacao-ais.pt/uploads/seo/big_1585926010_1526_logo-jpg
15 10
505152304

Campanhas

MOÇAMBIQUE: Amar no Meio do Sofrimento

Apoiar Campanha
1 fevereiro 2022
Desde 2017, mais de 1.090 ataques jihadistas e o conflito armado entre os rebeldes e as tropas governamentais ceifaram milhares de vidas, devastando regiões inteiras e forçaram cerca de 850 mil pessoas a fugir. Várias igrejas foram completamente destruídas e várias paróquias da Diocese de Pemba estão órfãs. A maioria dos padres e religiosas nestas regiões fugiu com os seus fiéis. Estão agora a tentar dar continuidade ao trabalho pastoral entre os refugiados das suas paróquias.

Apesar da violência terrorista desde 2017, a Igreja nunca deixou de estar presente junto das populações mais afectadas, dando um testemunho de amor em tempo de guerra
Foto: © Fundação AIS | A Irmã Mónica, da Congregação das Irmãs Reparadoras de Nossa Senhora de Fátima, presta ajuda humanitária aos deslocados, vítimas do atentado reivindicado pelos jihadistas “Al Shabaab”

“Corremos e fugimos, tentando esconder-nos aqui na praia. Há tiros por todo o lado. Seja o que Deus quiser, aqui em Palma… As casas foram abandonadas.” Esta foi uma mensagem enviada à Fundação AIS durante mais um ataque perpetrado em Março do ano passado, por mais de 150 rebeldes na cidade portuária de Palma, na região de Cabo Delgado. Este ataque, um dos últimos de maior dimensão, provocou a morte de dezenas de pessoas, agravando ainda mais o clima de insegurança que se vive no norte de Moçambique. Centenas de milhares de pessoas têm fugido de suas casas e agora precisam de alimentos, sustento e apoio.

A Fundação AIS está no terreno a apoiar bispos, padres e religiosas. Uma delas é a Irmã Mónica da Rocha, da Congregação das Irmãs Reparadoras de Nossa Senhora de Fátima. Numa mensagem que nos enviou, esta religiosa disse que os deslocados “são pessoas sem nada, que dependem total ente da solidariedade. Estão de mãos vazias. Os refugiados são as vítimas… aqueles que, embora tenham conseguido fugir, perderam a sua família e os seus bens”. Esta continua a ser uma das nossas principais prioridades: apoiar o povo que sofre em Moçambique!

> Graças aos benfeitores da Fundação AIS podemos ajudar a Irmã Mónica, todas as religiosas, todos os sacerdotes e todas as pessoas da Igreja a serem expressão de amor no meio de tanto sofrimento. Vamos ajudar?

Apoie esta campanha »

Fundação AIS no apoio psicossocial a deslocados de Cabo Delgado, em Moçambique
São, ao todo, quase 22 mil deslocados de Cabo Delgado em Nacala, apesar de esta diocese estar situada a mais de 400 km de distância. São quase 22 mil homens, mulheres e crianças. Essencialmente mulheres e crianças, muitas crianças. Todos eles são apenas uma uma gota no oceano da emergência social que tem agitado Moçambique desde que grupos terroristas começaram a lançar ataques armados, em Outubro de 2017, provocando um balanço de horror que contabiliza já mais de três mil mortos e mais também de 850 mil deslocados.

Na Paróquia de Itoculo vamos encontrar mais de uma centena destes deslocados. São, exactamente, 117 pessoas, das quais quase metade são crianças. Elas estão no centro de uma iniciativa lançada pela Caritas de Nacala e que tem o apoio da Fundação AIS. O objectivo é dar apoio psicossocial para que possam conseguir enfrentar com mais resiliência os desafios que enfrentam como vítimas da guerra.

A PAPINHA

No meio do chão, abrigados do sol inclemente de África pela sombra de algumas árvores generosas, um grupo de crianças inicia o momento mais saboroso: a papinha, que é o mesmo que dizer o lanche ou, muito provavelment , a única verdadeira refeição do dia… O céu é o tecto, e a terra e as ervas o chão das salas e do refeitório. A comida das crianças, “a papinha”, como elas já aprenderam a dizer, é um verdadeiro ‘shot’ de vitaminas. Milho, leite, casca de ovo… o que se puder juntar. É que a fome é uma realidade cruel.

Zeca Virgílio é um dos monitores dá apoio psicossocial a deslocados em Cabo Delgado Zeca Virgílio e Amon Ali são dois monitores. Com indisfarçável orgulho envergam, cada um, a sua camisola azul com os símbolos da Caritas mas também da Fundação AIS (ACN). Virgílio sintetiza, num português difícil:

“Estou aqui para ajudar as crianças a rezar, tratar da higiene, lavar as mãos…”.

Mas o mais importante é quando consegue explicar que gosta muito do trabalho “porque está a ajudar as pessoas”.

APOIO PSICOSSOCIAL

Os tempos são difíceis, mas as respostas que a sociedade tem dado são sinal de alguma esperança. O projecto de Apoio Psicossocial a famílias deslocadas na Paróquia de Itoculo é disso um bom exemplo. Além da Cáritas e da Fundação AIS, além dos monitores Virgílio e Ali, este projecto conta também com a colaboração do Pe. Mário João. Sacerdote do Porto, está em missão em Moçambique. Vamos encontrá-lo em Mweravale, uma das comunidades que acolheu deslocados de Cabo Delgado.

Num espaço improvisado, mesmo ao lado da estrada, a equipa da Fundação AIS presta um apoio imprescindível aos deslocados, vítimas do terrorismo
“Chegaram aqui em Março de 2020. Em Setembro iniciámos este projecto com três valências: para os mais novos há os ‘Amigos das Crianças’, com brincadeiras, para tentarmos estar com elas e ajudá- -las a ultrapassar alguma coisa menos boa que tenham vivido com a fuga lá de Cabo Delgado. Para os mais velhos temos um espaço de capacitação em língua macua e em matemática, e também aquilo a que chamamos ‘Escuta Activa’ que é um espaço de partilha das histórias, boas e menos boas, que foram vividas, também com vista a ultrapassar as dificuldades nes e processo de guerra em Cabo Delgado…”, contou-nos o Pe. Mário.

TEMPOS DE INCERTEZA

Este projecto com o apoio directo da Fundação AIS envolve, além das 117 pessoas deslocadas de Cabo Delgado, um total de sete colaboradores locais apoiados por três missionários.

As aldeias de Mweravale e Ramiane são agora dois locais onde se escutam as vozes alegres e inocentes das crianças, especialmente quando chega o tempo da papinha. Para muitos destes deslocados os tempos são de grande incerteza. Muitos querem regressar às aleias de origem e estão na expectativa. Mas tudo parece indicar que a paz ainda estará distante… Para o Pe. Mário João “é sempre um desafio ajudar”.

Enquanto esse regresso não chega é urgente continuar a nossa ajuda junto de milhares de refugiados e deslocados em Pemba.

Moçambique conta consigo. Vamos ajudar?


Esta é a nossa missão junto dos nossos irmãos em Moçambique… somos a mesma Igreja que chora com os que choram, que está presente junto dos que perderam o pouco que tinham e que se alegra com os seus sorrisos de agradecimento. E ‘obrigado’ é de facto a palavra que mais escutámos e que cada uma destas pessoas quer transmitir a todos os benfeitores da Fundação AIS: Kanimambo!
Levar Deus através do consolo






HISTÓRIAS RELACIONADAS










Comentários

Deixar um comentário
Os campos assinalados com * são de preenchimento obrigatório.

MOÇAMBIQUE EM NÚMEROS

Moçambique em números




A VOSSA AJUDA...

Trabalho transformado em Amor

"Junto do cheque vai a nossa admiração pelo vosso trabalho transformado em amor. Fiquei confundido com a história do Chico, noticiada no último relatório sobre refugiados ?Natal?. As lágrimas caíram, mas também houve alegria pela certeza de que as nossas migalhas chegam às famílias de todos os 'Chicos' que estão em Moçambique ou em qualquer parte do mundo. O relatório vagueia pela minha paróquia, anda de casa em casa. Peço ao Senhor que continue a iluminar a vossa e a nossa fé, e que com a Sua ajuda sejamos capazes de a transformar em compaixão."

Um benfeitor de Portugal


Francisco Faustino, o Chico, perdeu tudo…Mas a pior perda foi a do seu filho mais velho, degolado pelos jihadistas. Vive agora como refugiado em Pemba. Com a ajuda da Fundação AIS recebe apoio psicossocial e ajuda para recomeçar de novo…

Relatório MoçambiqueDescarregue aqui o PDF »

CONSIGNAÇÃO 0,5% IRS

Doe 0,5% do seu IRS à Fundação AIS

Os cookies ajudam-nos a oferecer os nossos serviços. Ao utilizar a nossa página, concorda com a nossa política de cookies.
Saiba Mais