Vinte missionários e agentes pastorais mortos ao longo do ano de 2023

Duas dezenas de missionários e agentes pastorais foram mortos ao longo do ano passado, segundo a Agência Fides. Entre as vítimas está um Bispo, D. David O’Connell, auxiliar de Los Angeles, e a mãe e a filha assassinadas a tiro na paróquia da Sagrada Família, em Gaza, no dia 16 de Dezembro, tal como a Fundação AIS noticiou.

Samar Kamal Anton e sua mãe Nahida Khalil Anton terão sido os dois últimos nomes incluídos na lista elaborada pela Agência Fides sobre os missionários e agentes de pastoral mortos ao longo do ano passado. As duas mulheres, mãe e filha, foram atingidas no dia 16 de Dezembro, e ao que tudo indica por um atirador das Forças de Defesa de Israel, quando tentavam encontrar um lugar seguro no edifício paroquial da Sagrada Família, na Faixa de Gaza.

A morte destas duas cristãs, tal como a Fundação AIS noticiou na ocasião, foi denunciada de imediato pelo Papa Francisco que não se tem cansado de apelar ao fim da violência na Terra Santa. “Isto aconteceu até mesmo dentro do complexo paroquial da Sagrada Família, onde não há terroristas, mas famílias, crianças, pessoas doentes e com deficiência, freiras”, disse o Papa sobre o assassinato das duas mulheres.

Além de Samar Anton e Nahida Khalil, houve mais 18 missionários assassinados ao longo do ano de 2023, ou seja, mais dois casos do que em 2022. Entre as vítimas está um Bispo, D. David O’Connell, auxiliar de Los Angeles, assassinado a 18 de Fevereiro na sua própria casa.

A lista é completada com mais oito sacerdotes, dois religiosos, um seminarista, um noviço e sete leigos e leigas.  Importa assinalar que a Agência Fides não se refere aos missionários ‘ad gentes’ em sentido estrito, “mas tenta refletir todos os casos em que pessoas baptizadas e comprometidas com a vida da Igreja morreram violentamente, mesmo que não seja expressamente por ódio à fé”. 

ESPANHA: Assassinado um sacristão e ferido um sacerdote em ataque terrorista a duas igrejas em Algeciras

O SACRISTÃO MORTO EM ESPANHA

África foi o continente com mais vítimas, cinco sacerdotes, dois religiosos, um seminarista e um noviço. No continente americano, além do bispo auxiliar de Los Angeles, registaram-se ainda os assassinatos de três sacerdotes e de duas leigas. Na Ásia, quatro homens e mulheres leigas morreram também violentamente, e na Europa registou-se apenas o assassinato, a 25 de Janeiro, de um leigo, o sacristão espanhol Diego Valencia, num ataque jihadista a duas igrejas em Algeciras, localidade situada na província de Cádis, na Andaluzia, e que foi perpetrado por um homem magrebino, tal como a Fundação AIS também divulgou em detalhe.

Esse foi mesmo o primeiro ataque mortal jihadista contra Igrejas em Espanha. Na lista apresentada pela Agência Fides estão também os quatro cristãos que morreram na sequência da explosão de uma bomba no ginásio da Universidade de Mindanao, nas Filipinas, quando assistiam à celebração da Missa do 1º Domingo do Advento, a 3 de Dezembro. Um ataque terrorista que causou ainda cerca de meia centena de feridos e que foi prontamente reivindicado pelo Daesh, o grupo jihadista auto-proclamado Estado Islâmico.

Arlene Francisco, 48 anos, secretária do capelão e da comunidade católica universitária, estava presente no local e contou à Fundação AIS o medo que sentiu nos instantes que se seguiram à explosão da bomba.

“Todos ficaram em choque. Vi 4 corpos caídos no chão, um estava completamente queimado, meu Deus… outra pessoa tinha metade do corpo queimado também e havia partes de pernas espalhadas… Foi realmente chocante.”

Esta descrição ajuda a compreender um dos elementos que a Agência Fides valoriza na lista dos missionários e agentes da pastoral mortos no ano passado: o facto de serem pessoas comuns que levavam uma vida normal. No entanto, “tornaram-se, sem culpa própria, vítimas de sequestros, de acções terroristas, tiroteios ou actos de violência de vários tipos”.

Paulo Aido | Departamento de Informação da Fundação AIS | info@fundacao-ais.pt

Relatório da Liberdade Religiosa

O relatório da Fundação AIS analisa a situação da liberdade religiosa em 196 países. É um dos quatro relatórios sobre a situação da liberdade religiosa a nível mundial, sendo o único relatório não governamental na Europa que tem em conta a doutrina social católica.

196 PAÍSES

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *


The reCAPTCHA verification period has expired. Please reload the page.

918 125 574

Multibanco

IBAN PT50 0269 0109 0020 0029 1608 8

Papa Francisco

“Convido-vos a todos, juntamente com a Fundação AIS, a fazer, por todo o mundo, uma obra de misericórdia.” 
PAPA FRANCISCO

© 2022 Fundação AIS | Todos os direitos reservados.