HAITI: Libertadas, após 24 horas de cativeiro, três irmãs raptadas num orfanato num bairro de Port-au-Prince

Foram libertadas ontem, quarta-feira, ao fim de cerca de 24 horas de cativeiro, três religiosas da Congregação de São José de Cluny que haviam sido raptadas num orfanato num bairro de Port-au-Prince, a capital do Haiti. Este rapto ocorre num momento de particular violência no país, após gangues terem invadido no sábado, dia 2 de Março, duas prisões em Port-au-Prince, libertando milhares de reclusos e levando as autoridades a decretar o estado de emergência e o recolher obrigatório.

Três irmãs, Christiane Gervais, Arielle St Germain, e Yolvard Delmond, foram raptadas por homens “fortemente armados” que invadiram na passada terça-feira, 5 de Março, pelas 14 horas [mais 5 horas em Portugal], o orfanato La Madeleine, em Morne à Cabrits, onde residem várias religiosas da congregação de São José de Cluny.

As irmãs seriam libertadas ontem, aproximadamente 24 horas depois. Este incidente ocorre depois do ataque, no sábado, dia 2 de Março, a duas prisões, a Penitenciária Nacional e o estabelecimento prisional civil de Croix-des-Bouquets, que permitiu a libertação de mais de 4 mil reclusos e levou as autoridades a decretaram o estado de emergência e o recolher obrigatório.

O rapto das três irmãs de São José de Cluny mostra também a situação de enorme insegurança  em que se encontram os membros da Igreja no Haiti. Recorde-se que no dia 23 de Fevereiro, ou seja, há cerca de duas semanas, seis religiosos da Congregação dos Irmãos do Sagrado Coração e um padre foram também raptados em dois incidentes distintos em  Port-au-Prince. Ao contrário do sacerdote, os seis religiosos continuam em cativeiro.

Antes, a 19 de Janeiro, houve também o rapto de seis irmãs da Congregação das Religiosas de Santa Ana, que levou, inclusivamente, o Papa Francisco a apelar à sua libertação, que ocorreria uma semana mais tarde. Francisco pediu, na ocasião, a todos os haitianos para acabarem com a violência, “que tanto sofrimento causa àquela querida população”.

O HAITI NO RELATÓRIO DA FUNDAÇÃO AIS

O Haiti é um dos países assinados a vermelho no mais recente Relatório da Liberdade Religiosa no Mundo, publicado em Junho do ano passado e que aborda o período correspondente aos anos de 2021 e 2022. Nesse documento pode ler-se que o país “entrou numa espiral de caos político, económico e social”, e que “as estruturas estatais como o Parlamento, o poder judicial e a administração pública entraram em colapso”.

Tudo isto se agravou com o assassinado, em Julho de 2021, do presidente Jovenal Moïse.

Desde então o país tem sido dirigido pelo presidente Ariel Henry, sem data ainda marcada para novas eleições. (...) Num país já assolado pela pobreza e por catástrofes naturais, o vazio de poder e a falta de liderança efectiva mergulharam o pequeno Estado das Caraíbas no caos, com fome, doenças, violência de gangues, crimes relacionados com a droga, esquadrões da morte e raptos.”

Paulo Aido | Departamento de Informação da Fundação AIS | info@fundacao-ais.pt

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *


The reCAPTCHA verification period has expired. Please reload the page.

Relatório da Liberdade Religiosa

O Haiti está à deriva em direcção a tornar-se um Estado falhado. A crise política e económica alimentou um aumento da violência dos gangues territoriais, provocando uma crise social e humanitária catastrófica. Os raptos para exigir resgate, incluindo do clero, e os assassínios relacionados com gangues aumentaram exponencialmente. A insegurança generalizada do país tem afectado todos os direitos fundamentais, incluindo a liberdade religiosa.

HAITI

918 125 574

Multibanco

IBAN PT50 0269 0109 0020 0029 1608 8

Papa Francisco

“Convido-vos a todos, juntamente com a Fundação AIS, a fazer, por todo o mundo, uma obra de misericórdia.” 
PAPA FRANCISCO

© 2022 Fundação AIS | Todos os direitos reservados.