MOÇAMBIQUE: Santa Sé nomeia novo Núncio para o país numa altura em que os terroristas voltam a atacar em Cabo Delgado

O Papa nomeou na passada terça-feira, dia 23, D. Luís Miguel Muñoz como novo Núncio Apostólico para Moçambique. O anúncio do representante diplomático do Vaticano ocorre numa altura em que a região de Cabo Delgado volta a assistir a movimentações de terroristas que reivindicam pertencer ao grupo Jihadista Estado Islâmico e que estão a causar o pânico entre as populações.

Domingo, dia 21 de Janeiro, a vila de Mucojo, a segunda mais importante no distrito de Macomia, foi ocupada por grupos de terroristas, provocando uma debandada das populações, nomeadamente para a sede distrital. Pelo menos até à passada terça-feira, dia 23, os terroristas mantiveram-se nesta vila, num gesto de uma certa ousadia até pela proximidade na região de forças militares moçambicanas e dos países da África Austral que estão a apoiar os esforços das autoridades de Maputo face à insurgência jihadista na província de Cabo Delgado.

Além do distrito de Macomia, há relatos de movimentações terroristas também no distrito de Muidumbe. É neste cenário de violência e muita incerteza para as populações que a Santa Sé anunciou neste dia 23 de Janeiro o nome de D. Luís Miguel Muñoz como novo Núncio Apostólico, ou seja, como representante diplomático do Vaticano, em substituição de D. Piergiorgio Bertoldi, que ocupou o lugar desde 2019 até Junho do ano passado. D. Luís Muñoz é um arcebispo espanhol de 59 anos e tem já uma longa experiência como representante pontifício, tendo estado em países como a Grécia, México, Bélgica, Itália, Austrália, França e Turquia.

Antes de Moçambique, ocupou o cargo de Núncio Apostólico no Sudão e na Eritreia. Mons. Anthony Paul, encarregado de Negócios da Nunciatura Apostólica em Moçambique, referiu, num comunicado a que a Fundação AIS teve acesso, a “muita alegria” com que foi recebido no país o anúncio da nomeação de D. Luís Muñoz, explicando que o novo responsável tem como missão “cuidar das relações diplomáticas” entre ambos os Estados e de representar o Santo Padre no “amado País de Moçambique”.

VIOLÊNCIA SEM FIM EM CABO DELGADO

A questão da insurgência terrorista, que começou em 5 de Outubro de 2017 e já terá causado cerca de 5 mil mortos e mais de um milhão de deslocados, preocupa muito os responsáveis da Igreja Católica neste país de língua oficial portuguesa.

Ainda recentemente, no início de Janeiro, a Fundação AIS dava conta da aposta da Diocese de Pemba no diálogo inter-religioso para a erradicação do terrorismo no território. “Não se pode aguentar muito tempo uma situação de violência que parece não ter fim”, disse então o padre Eduardo Roca, desde há vários anos em Mahate, uma paróquia católica num bairro que é o coração do Islão na cidade de Pemba, a capital da província de Cabo Delgado.

O padre Roca é também um dos responsáveis pelo diálogo inter-religioso da diocese moçambicana.

Não importa se for uma guerra de baixa intensidade, como agora se fala. O medo toma conta dos corações, nenhuma instituição da sociedade merece mais confiança, porque o sentimento de sobrevivência impõe-se sobre os outros. A possibilidade de um ataque, a qualquer momento, e em qualquer lugar, torna a vida insuportável.”

Os ataques e a violência que refere são da responsabilidade dos grupos armados que continuam a deixar um rasto de destruição e morte e que reivindicam pertencer ao Daesh, os jihadistas do Estado Islâmico. Ainda no passado domingo, dia 21, o investigador Nuno Rogeiro apresentou na SIC, canal de televisão portuguesa, o excerto de um vídeo alegadamente da autoria dos insurgentes em Cabo Delgado e gravado a 11 de Janeiro deste ano, em que os terroristas – na imagem aparecem pelo menos cinco homens fortemente armados – estarão numa aldeia em Macomia e proclamam perante as câmaras que o seu objectivo “é a destruição dos cristãos e o apoio à Palestina”.

País prioritário para a AIS

Moçambique é um país prioritário para a Fundação AIS no continente africano. A solidariedade dos benfeitores da Ajuda à Igreja que Sofre tem permitido levar a este país, especialmente à região de Cabo Delgado, diversos projectos de assistência pastoral e de apoio psicossocial às populações vítimas do terrorismo, mas também fornecimento de materiais para a construção de dezenas de casas, centros comunitários e ainda a aquisição de veículos para os missionários que trabalham junto dos centros de reassentamento que abrigam as famílias fugidas da violência.

Paulo Aido | Departamento de Informação da Fundação AIS | info@fundacao-ais.pt

Relatório da Liberdade Religiosa

Embora os líderes cristãos e muçulmanos continuem a denunciar a violência e a promover o diálogo inter-religioso, num esforço de deslegitimação do jihadismo, tal será insuficiente se não forem abordadas as desigualdades sociais e económicas subjacentes que afectam os jovens, especialmente nas regiões mais pobres. As perspectivas para a liberdade religiosa continuam a ser desastrosas.

MOÇAMBIQUE

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *


The reCAPTCHA verification period has expired. Please reload the page.

918 125 574

Multibanco

IBAN PT50 0269 0109 0020 0029 1608 8

Papa Francisco

“Convido-vos a todos, juntamente com a Fundação AIS, a fazer, por todo o mundo, uma obra de misericórdia.” 
PAPA FRANCISCO

© 2022 Fundação AIS | Todos os direitos reservados.