LIBÉRIA: Num dos mais pobres países do mundo, a Fundação AIS apoia o trabalho ímpar da Igreja Católica 

É um dos países mais pobres e menos desenvolvidos do mundo. A Libéria, situada na África Ocidental, tem uma história recente marcada pela tragédia da guerra civil. Uma guerra que durou quase vinte anos, que só terminou em 2003 e que causou mais de 250 mil mortos. A Fundação AIS está fortemente apostada na ajuda aos sacerdotes e religiosas que desempenham um papel vital para o futuro deste país, nomeadamente na promoção social mas também no fortalecimento da paz e concórdia entre a população.

A Libéria é um país assombrado pelo passado. Primeiro, foi a escravatura, depois a guerra civil, que durou quase vinte anos e que provocou cerca de 250 mil mortos e mais de 800 mil deslocados e que só terminou em 2003. Milhares de pessoas foram mutiladas ou violadas neste conflito que até incluiu crianças-soldado. Uma violência que continua presente no quotidiano da Libéria que é, hoje, um dos países mais pobres e menos desenvolvidos do mundo.

A esperança média de vida não ultrapassa os 45 anos. Quase metade da população é analfabeta e subnutrida. A guerra foi apenas uma das tragédias que aportou a este país africano, o único que não foi colonizado por nenhuma nação europeia.

Além da guerra, houve o Ébola, uma temível epidemia que, na verdade, nunca foi erradicada. E, recentemente, também o coronavírus. O trabalho dos padres e das religiosas tem sido fundamental para que a Libéria possa fazer as pazes com o seu passado, apagando rivalidades e construindo pontes para um futuro com menos sofrimento.

ELEIÇÕES DISPUTADÍSSIMAS

As eleições presidenciais, em Novembro do ano passado, podem ter significado um passo em frente nessa construção. Joseph Nyuma Boakai, ex-vice-Presidente, ganhou o plebiscito a George Weah, antigo futebolista – o primeiro africano a vencer uma Bola de Ouro –, e que procurava a reeleição.

O resultado foi disputadíssimo, praticamente apenas 1 por cento dividiu os dois concorrentes, mas na declaração de aceitação da derrota, ao dizer “o meu partido perdeu, mas a Libéria ganhou”, Weah terá ajudado a cimentar a paz e a afastar as nuvens da discórdia.

São muitas as prioridades que se colocam à Libéria a curto e médio prazo. Tirar o país da pobreza, promover a agricultura, o sistema de saúde e de educação, combater a corrupção e a desigualdade de género são batalhas a travar nos próximos anos. Batalhas que exigem o compromisso de todos. É aqui que entra a Igreja. A Fundação AIS está profundamente empenhada no apoio ao esforço dos sacerdotes e das religiosas em missão na Libéria.

ALIMENTAR A FÉ DOS CRISTÃOS

Exemplo disso, o secretariado britânico da Ajuda à Igreja que Sofre assumiu o compromisso de financiar todos os projectos da fundação pontifícia na Libéria. Caroline Hull, directora da AIS no Reino Unido diz que esta aposta “é uma oportunidade fantástica para se conhecer as pessoas e as histórias por detrás dos projectos” da AIS, e para se ver a Igreja “crescer em cidades movimentadas mas também em aldeias remotas de toda esta nação da África Ocidental”.

Caroline Hull, numa mensagem dirigida sobretudo aos benfeitores da AIS no Reino Unido, explica ainda que a Igreja Católica “é pequena na Libéria mas está a crescer rapidamente”, e que os projectos pastorais da Fundação AIS “proporcionam aos católicos da Libéria aquilo que eles precisam para viver de acordo com a sua fé: acesso aos sacramentos, construção de igrejas, religiosas e clero bem formados e equipados”. 

Com esta aposta, a Fundação AIS procura “atenuar o sofrimento e alimentar a fé de algumas das comunidades católicas mais pobres do mundo”, acrescenta a responsável do secretariado britânico da AIS.

Paulo Aido | Departamento de Comunicação da Fundação AIS | info@fundacao-ais.pt

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *


The reCAPTCHA verification period has expired. Please reload the page.

Relatório da Liberdade Religiosa

Apesar do aceso debate sobre os feriados muçulmanos, e de algumas tensões internas no seio da comunidade muçulmana, as relações inter-religiosas no país continuam geralmente boas e o Governo tem tomado medidas para continuar a proteger a liberdade religiosa. As perspectivas para a liberdade religiosa no país continuam a ser positivas.

LIBÉRIA

918 125 574

Multibanco

IBAN PT50 0269 0109 0020 0029 1608 8

Papa Francisco

“Convido-vos a todos, juntamente com a Fundação AIS, a fazer, por todo o mundo, uma obra de misericórdia.” 
PAPA FRANCISCO

© 2022 Fundação AIS | Todos os direitos reservados.