Com Maria, juntos pelas famílias da Síria e do Líbano

 

• OBJECTIVOS DO PROJECTO •

 

ATÉ SETEMBRO DE 2022:
• Educação: financiar 80 propinas (Líbano)
> 45€ uma propina anual
• Cabaz alimentar: oferecer um cabaz a 10 famílias durante um ano (Síria)
> 28€/mês cada cabaz

ATÉ DEZEMBRO DE 2022:

• Financiar mais 82 propinas (Líbano)
• Financiar mais 10 famílias com cabazes alimentares (Síria).

TOTAL EM 2022:

162 crianças apoiadas com propinas (Líbano)
20 famílias apoiadas com cabazes alimentares (Síria)

 

 Fortalecer as congregações na sua capacidade de apoiar as famílias na aquisição dos bens essenciais.

 Dar a conhecer e sensibilizar outras famílias para a situação das famílias cristãs destes 2 países.

 Estabelecer uma geminação com uma congregação do Líbano no sentido de nos enriquecermos mutuamente com a cultura, valores, história, desafios, etc, de apoiar as necessidades da congregação para as iniciativas de apoio no local, e de estreitar relações entre este grupo de famílias e a congregação.

*MB WAY: 918 125 574
*Ao efectuar o pagamento por MB WAY deverá colocar na descrição:
> MAS + país(es) a apoiar
Exemplo: MAS Líbano (ou Síria)

IBAN

PT50 0269 0109 0020 0029 1608 8
RECIBO DO DONATIVO
Para receber o recibo do seu donativo, envie SMS, WhatsApp ou e-mail com os seus dados (nome, morada e NIF) para apoio@fundacao-ais.pt

 

Um grupo de famílias do Movimento Apostólico de Schoenstatt (MAS) de Lisboa, que quer apoiar famílias sírias e libanesas, está a desenvolver um projecto abrangente nestes países, enquanto grupo de voluntariado da Fundação AIS. A partir da leitura da Encíclica Fratelli Tutti do Papa Francisco, foi dado um primeiro passo no Natal de 2021 pelo Acolher de Coração ao associarmo-nos à Fundação AIS – Operação Natal da Irmã Annie Demerjian, da Congregação de Jesus e Maria, da Síria. Para o arranque deste projecto contamos com o apoio da Convergência.

A Fundação AIS é o secretariado português da organização internacional Aid to the Church in Need (ACN), uma fundação pontifícia que surgiu no Natal de 1947 e está presente em Portugal desde 1995. Para além da sua missão pastoral, a Fundação AIS ajuda os Cristãos perseguidos, refugiados ou ameaçados em todo o mundo, por causa da sua fé.

 

• MISSÃO •

 

Contribuir para a permanência das famílias cristãs da Síria e do Líbano nas suas comunidades, fortalecendo-as, tendo presente a vocação específica das comunidades cristãs naqueles países como artesãs da Paz. Ao apoiar a Fundação AIS, está a contribuir para que crianças e famílias da Síria e do Líbano tenham acesso a educação e alimentos.

 

• CONHEÇA OS NOSSOS PROJECTOS •

 

Projecto AIS Síria

População: 6M
Área: 10.452 Km2
Capital: Beirute
Língua: Árabe (oficial) e francês (reconhecido)
Religião: país com maior diversidade religiosa no Médio Oriente

• Muçulmanos: 58.8%
• Cristãos: 35.1%
• Agnósticos: 2.9%
• Budistas: 2.1%
• Outros: 1.1%

O Líbano é um país único no mundo e em particular no Médio Oriente, porque tem uma Constituição Civil mas também porque é o país com uma percentagem muito considerável de cristãos, a maior de todo o mundo árabe. Para além disso, a partilha do poder entre as várias religiões, o que é único, tem permitido uma relativa estabilidade e respeito pelas diferentes comunidades. O presidente é sempre um cristão, o primeiro-ministro é sempre um sunita e o presidente da Assembleia da república é um xiita. No Líbano convivem 18 comunidades religiosas, o que mostra a diversidade e o carácter único deste país.

O Líbano está a atravessar uma das mais profundas crises da sua história e isso tem vindo a contribuir para o acelerar da migração da população cristã face ao colapso económico e financeiro de empresas, famílias e do próprio Estado. Uma sucessão de eventos levaram à actual situação, desde a guerra civil até às manifestações contra o Governo em Outubro de 2019 e que levaram ao colapso financeiro em 2020. A pandemia da Covid-19 teve alto impacto e a explosão do porto de Beirute, em Agosto de 2020, foi a gota de água que leva à actual situação.

Por outro lado, o Líbano é o país do mundo que acolhe mais refugiados per capita. Para além dos 500 mil refugiados palestinianos desde o fim da década de 40, também acolheu cerca de 1,5 milhões de sírios, para além de outros refugiados da Etiópia, Iraque, Sudão, entre outros.

A actual situação é dramática, a população está desesperada e sem esperança devido à inflação elevadíssima que reduziu quase a cinzas as poupanças das famílias e como consequência a sua incapacidade para sobreviver condignamente. As famílias deixaram de ter capacidade para pagar as suas despesas, para adquirir os bens essenciais, desde o pão, ao leite e aos medicamentos. Actualmente, o Líbano só tem 2 horas de electricidade por dia devido também ao colapso do próprio Estado que deixou de conseguir providenciar o essencial para o povo.

Existe o receio de que, se esta crise continuar, seja o fim dos Cristãos no Líbano e em todo o Médio Oriente dentro de alguns anos. Normalmente quando os Cristãos partem, como aconteceu no Iraque, Síria e Turquia, já não regressam. De facto, muitos cristãos têm decidido emigrar, pois receiam, face à degradação da condição económica com uma inflação galopante, não poder garantir um ambiente de liberdade religiosa nem uma vida digna para as suas famílias. A situação degradou-se de tal forma que, hoje em dia, calcula-se que mais de 80% da população viva abaixo do limiar da pobreza.

 

Projecto AIS Síria

População: 18 milhões
Área: 185.180 Km2
Capital: Damasco
Língua: Árabe
População Cristã – 2% (10% antes de 2011)

• Muçulmanos: 94.3%
• Cristãos: 3.6%
• Agnósticos: 2.0%
• Outros: 0.1%

Ao fim de 11 anos de uma guerra que já causou cerca de 500 mil mortos – a data do início do conflito foi a 15 de Março de 2011 –, a Síria é hoje um país empobrecido, com mais de 13,5 milhões de sírios que precisam de assistência humanitária e de protecção dentro da Síria, com quase 14 milhões de pessoas deslocadas, dentro e fora das fronteiras, com uma taxa de pobreza asfixiante em que cerca de 90% da população vive abaixo do limiar da pobreza e com cerca de 6,5 milhões de crianças que precisam de ajuda humanitária.

A maior parte dos Sírios são muçulmanos sunitas. Alauitas, Cristãos e Drusos fazem parte do mosaico religioso tradicional do país. Os Curdos são o grupo étnico não árabe mais importante. A maior parte da população adere ao Islamismo sunita. Desde 2011, a situação da liberdade religiosa tem-se deteriorado muito. Antes da guerra, os Cristãos constituíam uma parte significativa da população, cerca de 10%. Hoje são apenas 2% da população.

“Este é o pior momento desde que começou a guerra. Muitas pessoas estão a passar fome. Há muitas crianças que não conseguem ter uma refeição por dia. Nós ajudamos, mas não é suficiente…” As palavras são da Irmã Annie Demerjian, da congregação de Jesus e Maria, durante uma conferência ‘online’ com a Fundação AIS.

Mas também a Madre Agnès-Mariam de la Croix, superiora das Monjas de Unidade de Antioquia, afirma: “Posso dizer que esta situação é catastrófica. A sobrevivência torna-se impossível para o nosso povo, sejam cristãos ou não, porque nós, no Mosteiro de São Tiago Mutilado, cuidamos de toda a gente, porque todos são seres humanos criados à imagem de Deus.”

A crise na Síria é o resultado não só da destruição causada pela guerra, que é visível em praticamente todo o território, como também pelas sanções económicas impostas ao regime de Bashar al-Assad pelos Estados Unidos da América e pela União Europeia, e mais recentemente pela pandemia do coronavírus.

Segundo Regina Lynch, responsável da Fundação AIS, “Antes do início da guerra, os Cristãos da Síria não dependiam de ajuda externa”. Neste momento, sem a ajuda do exterior é impossível sobreviver. A inflação é galopante, a perda de poder de compra deixa os Sírios numa situação insustentável em que não é possível adquirir medicamentos, nem comprar carne ou leite para os seus filhos, nem ter acesso a electricidade ou combustíveis.

É muito importante apoiar as famílias cristãs a permanecerem na Síria e nos outros países do Médio Oriente. O Médio Oriente não pode ficar sem a comunidade cristã que é essencial como sinal de paz, amor e solidariedade. A comunidade cristã faz ponte entre as outras religiões, apesar de todas as dificuldades.

“O apoio espiritual é mais importante do que o material. Continuem a rezar por nós para que não percamos a esperança, e o nosso povo não perca a esperança. Queremos que os Cristãos permaneçam nesta terra santa. Rezo por cada um de vós, muitas vezes oferecemos Missa por vossa intenção e pelas intenções dos benfeitores”, disse ainda a Irmã Annie Demerjian.

Mais recentes

PAQUISTÃO: “É muito fácil acusar alguém e depois matá-lo”, diz dirigente cristão após incidentes com a lei da blasfémia

Depois da morte no hospital, a 3 de Junho, de um cristão brutalmente agredido em Sargodha, vítima de uma falsa acusação de blasfémia, outro caso veio sobressaltar esta comunidade religiosa. Uma mulher foi detida pela polícia, em Lahore, também na sequência de uma denúncia semelhante. Em mensagem enviada para Lisboa, para a Fundação AIS, Joel Amir Sohatra, destacado dirigente cristão paquistanês, diz que é preciso apoiar “todas as vítimas da intolerância religiosa” e deixa escapar o desabafo de que os “incidentes aumentam de dia para dia”…

918 125 574

Multibanco

IBAN PT50 0269 0109 0020 0029 1608 8

Papa Francisco

“Convido-vos a todos, juntamente com a Fundação AIS, a fazer, por todo o mundo, uma obra de misericórdia.” 
PAPA FRANCISCO

© 2024 Fundação AIS | Todos os direitos reservados.