Fundação de Ajuda à Igreja que Sofre - Fundação AIS
Rua Professor Orlando Ribeiro, 5D 1600-076 Lisboa, Portugal
(+351) 217544000 apoio@fundacao-ais.pt Fundação AIS 1995
Lisboa
https://fundacao-ais.pt/uploads/seo/big_1585926010_1526_logo-jpg
15 10
505152304

Sementes de Esperança

Sementes de Esperança: Março de 2022

1 março 2022
Sementes de Esperança: Março de 2022
ÍNDIA
“A ÍNDIA É DOS HINDUS!”


Superfície
3,3 milhões de km2

População
1,4 mil milhões

Religião
Hindus 72,5%
Muçulmanos: 14,5%
Cristãos: 4,9%
Religiões Tradicionais 3,6%
Siques 1,8%
Agnósticos 1,2%
Outras: 1,5%

Língua
Hindi e inglês


Os Cristãos da Índia representam uma anomalia aos olhos dos nacionalistas hindus. Como consequência, sofrem humilhações administrativas e actos de violência por parte dos fanáticos.

A 15 de Agosto de 2021, as 15 famílias cristãs de Adnadhi não esperavam grandes procissões marianas. Este cristãos, isolados nesta aldeia hindu desde os seus primeiros baptismos há 20 anos, sabiam passar discretamente acreditando que a sua presença tinha sido aceite. Por isso foi com muita surpresa que foram convocados pelo chefe da aldeia, na presença de uma multidão de vizinhos, manifestamente exaltados. O chefe dirigiu-se a eles começando por impor uma alternativa, a conversão ou o exílio. Perante a recusa dos cristãos começaram a chover pedras e depois os extremistas começaram a atacar as casas, ferindo quatro pessoas. Sajan K. George, uma das vítimas, denuncia junto da Asianews a condescendência das autoridades, que não puniram os culpados. E pergunta: “Seremos nós cidadãos de segunda classe? A Constituição garante a liberdade religiosa. Como é que uma minoria de 4,9% [a minoria cristã indiana] pode constituir uma ameaça?”



A fim de tentar explicar esta atitude aparentemente irracional, o Pe. Federico Juan Highton, missionário no planalto do Tibete descreve: “O êxito do partido de Narenda Modi, no poder desde 2014, tem como slogan, a Índia é dos Hindus. Nesta perspectiva, parece ser insuportável que os Hindus abandonem a sua religião.”

Com efeito, se os actos violentos foram cometidos por simples civis, inflamados pelo nacionalismo indiano, as autoridades por sua vez ficaram paranóicas com as conversões. Quando deu início à sua missão em Janeiro de 2016, dois anos depois da eleição de Narendra Modi, D. Stephen Lepcha, Bispo de Darjeeling, preveniu o sacerdote que a situação se estava a tornar inquietante para os Católicos. Cada conversa colocava os sacerdotes em perigo, devido à lei “anti-conversão forçada”, em vigor em vários estados do país. Uma simples acusação era suficiente para prender o suspeito. Mesmo as acções sociais das Igrejas estão sob vigilância, pois são suspeitas de serem iscos para atrair os hindus. Após cinco anos de missão no norte do país, o Pe. Federico observa um endurecimento das autoridades. Teve de superar obstáculos administrativos para fundar uma escola, o que pode parecer absurdo num país onde metade da população tem menos de 25 anos e as necessidades em termos de educação são à medida da demografia do país.

As escolas são um ponto forte dos Cristãos na Índia. São numerosas, conceituadas e acolhem uma maioria de alunos de outras religiões. Isso despertou claramente o interesse de uma instituição indiana: a Comissão para a Protecção dos Direitos das Crianças. Na sequência de um relatório dirigido ao Governo Indiano, em Agosto de 2021, ela propôs a revogação do estatuto de que gozam as escolas das minorias religiosas. O relatório em causa aponta para o facto de as escolas cristãs estarem sub-representadas. Os Cristãos representam 12% do total das minorias, mas gerem 72% das escolas minoritárias.

No entanto, algumas destas escolas são selectivas, na medida em que são descritas neste documento como “casulos para elites”. Por outro lado, o relatório denuncia as carências das madrassas, as escolas corânicas que proporcionam uma educação considerada “insuficiente”.



“O relatório não é totalmente negativo, mas revela disfunções reais”, constata Dilip Kmekala, jornalista cristão residente nas proximidades de Nova Deli. “Mas este relatório, como muitos outros sinais enviados pelo Governo, vai no sentido de um confronto entre as comunidades religiosas.” “O Hindutva” – literalmente “a qualidade de ser hindu” – reivindicada pelo partido no poder, o BJP, funciona como uma poção mágica que lhe permite escapar às sanções eleitorais. “O povo tem a memória curta”, denuncia o jornalista. Narendra Modi “ e o seu BJP cometeram algumas loucuras. A desmonetização, o bilhete de identidade biométrico e os problemas do respeito pela vida privada a que dá origem… Mas o pior foi a liberalização do sector agrícola, que ameaça uma grande parte a população. Houve manifestações gigantescas contra.” O jornalista acredita que estes movimentos de revolta serão esquecidos aquando das eleições que designarão um novo primeiro-ministro, em 2024.

Oração
Para que o poder político na Índia se abra à liberdade religiosa e deixe de manipular o povo contra as minorias religiosas, nós Te pedimos Senhor.

PADRE MORRE SOB CUSTÓDIA
Stan Swamy, padre jesuíta indiano, de 84 anos, defendia os direitos das populações indígenas de Chotanagpur, uma região de planaltos vastos e elevados da Índia oriental. Suspeito de ter ligações com o Partido Comunista Maoista da Índia, foi detido a 8 de Outubro de 2020. Morreu enquanto se encontrava detido, a 5 de Julho de 2021, como consequência de doença de Parkinson agravada pela Covid-19.


Comentários

Deixar um comentário
Os campos assinalados com * são de preenchimento obrigatório.
Os cookies ajudam-nos a oferecer os nossos serviços. Ao utilizar a nossa página, concorda com a nossa política de cookies.
Saiba Mais