Fundação de Ajuda à Igreja que Sofre - Fundação AIS
Rua Professor Orlando Ribeiro, 5D 1600-076 Lisboa, Portugal
(+351) 217544000 apoio@fundacao-ais.pt Fundação AIS 1995
Lisboa
https://fundacao-ais.pt/uploads/seo/big_1585926010_1526_logo-jpg
15 10
505152304

Notícias

PORTUGAL: Documentários da AIS com emissão semanal no Programa ECCLESIA, para mostrar lutas e dramas de comunidades cristãs no mundo

10 agosto 2022
PORTUGAL: Documentários da AIS com emissão semanal no Programa ECCLESIA, para mostrar lutas e dramas de comunidades cristãs no mundo
Cinco países, três continentes, uma mesma necessidade de ajuda para as comunidades cristãs. Este poderá ser o guião para os programas “A Fé dos Homens", da Agência Ecclesia, na RTP2, durante o mês de Agosto e cuja emissão começa hoje, quarta-feira, dia 10.

São cinco documentários produzidos pela Fundação AIS e que transportarão os telespectadores para a realidade concreta, por vezes dramática e mesmo cruel, que as comunidades cristãs têm de enfrentar em países tão díspares como a Libéria, o Líbano, a Nigéria, as Honduras e o Paquistão.

Como traço comum há histórias de violência, mas também de abandono das populações mais fragilizadas, mais pobres. Nestes cinco documentários, o protagonismo vai para os homens e mulheres de uma Igreja de mangas arregaçadas que está no meio do povo que mais sofre, vivendo com ele as mesmas dificuldades, sofrendo a mesma violência, conhecendo as mesmas ameaças à própria sobrevivência no dia-a-dia.

Os documentários, uma produção CRTN, da Fundação AIS, serão transmitidos todas as quartas-feiras pelas 15 horas.

Numa sinopse breve, podemos falar da Libéria como um país assombrado pelo passado. Primeiro a escravatura, depois a guerra civil, que durou quase 20 anos e que só terminou em 2003. Terminou a guerra, não as suas consequências, que continuam visíveis na pobreza e na memória dos que passaram por momentos dramáticos. A guerra terminou com um saldo tenebroso. Mais de 250 mil mortos, mais de 800 mil deslocados. Uma violência que continua presente no quotidiano. Libéria - Rimas e Ritmos é um documentário da Fundação AIS que nos leva até este país africano que ainda vive preso ao seu passado…



A Nigéria deve ser, nos tempos actuais, um dos países mais perigosos em África. O terrorismo do Boko Haram e de filiais dos jihadistas do Estado Islâmico, a actuação de grupos armados que raptam pessoas para extorsão do dinheiro dos resgates, a violência crescente dos pastores nómadas, os ‘fulani’, que atacam os agricultores cristãos, matam e destroem quase tudo à sua passagem, e até as alterações climáticas… tudo isto faz parte de um verdadeiro barril de pólvora. Neste contexto, terrível, o papel da Igreja é essencial para poder haver alguma paz…



Emigração, violência, pobreza extrema, desigualdade social. Tudo isto faz parte do retrato das Honduras. Neste documentário da Fundação AIS, vamos tentar perceber melhor como é a vida neste país do continente americano, quais as expectativas das pessoas e qual o papel da Igreja junto das populações, especialmente as mais pobres, que mais sofrem, que tantas vezes têm como única alternativa a emigração. “A maior exportação da República das Honduras são os emigrantes”, afirma o Bispo de San Pedro Sula.



Será que ainda existe escravatura no séc. XXI? Esta pergunta, terrível, leva-nos a olhar com atenção para a sociedade paquistanesa dos dias de hoje. Não é o que está inscrito na lei que conta. Não são os direitos das pessoas que interessa ver, nem o que se entende pelas convenções sociais. No Paquistão de hoje, para lá do mundo das leis, há uma realidade que se esconde, que magoa, que oprime. Poderemos falar em escravatura ou não, quando falamos nos muito pobres, que são desprezados pela sociedade? Podemos falar em escravatura quando sabemos que há pessoas que pertencem às minorias religiosas e que são proscritas? Que a única expectativa que têm para as suas vidas é a de varrerem ruas ou limparem esgotos? Será que ainda existe escravatura no séc. XXI?



O último documentário leva-nos até ao dia 4 de Agosto de 2020. Esse dia marcou a vida de milhares de pessoas no momento em que o Porto de Beirute, no Líbano, foi palco da maior explosão não atómica já registada até hoje. Foi a explosão acidental, mas que deixou um rasto impressionante de destruição e morte. Mais de duas centenas de pessoas perderam a vida numa explosão que durou sete segundos, mas milhares ainda hoje, dois anos depois, enfrentam as consequências do que aconteceu. Num país que já vivia uma das maiores crises económicas e políticas da sua história, a explosão no porto de Beirute em Agosto de 2020 tornou mais pobres os pobres, arrastou mais pessoas para a miséria e levou uma nação ainda mais para o desespero.


PROGRAMAÇÃO
10 de Agosto LIBÉRIA - RIMAS E RITMOS
17 de Agosto NIGÉRIA - COEXISTÊNCIA
24 de Agosto HONDURAS - ANTES DE PARTIREM
31 de Agosto PAQUISTÃO - LIBERTEM OS CATIVOS
07 de Setembro LÍBANO - 7 SEGUNDOS



PA | Departamento de Comunicação da Fundação AIS | info@fundacao-ais.pt

Comentários

Deixar um comentário
Os campos assinalados com * são de preenchimento obrigatório.

Os cookies ajudam-nos a oferecer os nossos serviços. Ao utilizar a nossa página, concorda com a nossa política de cookies.
Saiba Mais