Fundação de Ajuda à Igreja que Sofre - Fundação AIS
Rua Professor Orlando Ribeiro, 5D 1600-076 Lisboa, Portugal
(+351) 217544000 apoio@fundacao-ais.pt Fundação AIS 1995
Lisboa
https://fundacao-ais.pt/uploads/seo/big_1585926010_1526_logo-jpg
15 10
505152304

Notícias

PAQUISTÃO: “Somos tratados como cidadãos de terceira”, diz dirigente cristão face às acusações de blasfémia

12 outubro 2021
PAQUISTÃO: “Somos tratados como cidadãos de terceira”, diz dirigente cristão face às acusações de blasfémia
No passado mês de Agosto, após oito anos no corredor da morte no Paquistão, Shagufta Kausar e o seu marido Shafqat Emmanuel, ambos acusados de blasfémia contra o Islão, receberam asilo num país europeu. Foram longos oito anos até se ter conseguido provar a inocência deste casal cristão, até se ter conseguido que o Tribunal Superior de Lahore anulasse a sentença de morte que pendia sobre eles.

Para trás ficou uma batalha terrível em que diversas organizações da Igreja e de defesa dos direitos humanos, entre as quais a Fundação AIS, se baterem pela sua libertação, sabendo-se desde o primeiro momento que se tratava de um caso baseado numa acusação forjada.

Em 2013, Shagufta Kausar e Shafqat Emmanuel viviam com os filhos na missão da Igreja de Gojra, no Punjab, quando algumas mensagens de texto com conteúdo considerado blasfemo foram enviadas a um clérigo local através de um telefone alegadamente registado em nome de Emmanuel.

Apesar de reiteradamente se ter provado na Justiça de que ambos são analfabetos, que não sabem ler nem escrever, o Tribunal declarou-os culpados de blasfémia a 21 de julho de 2013. Era o início de um longo calvário que só terminou agora com o Supremo Tribunal a decretar a inocência de ambos.

Durante todos estes anos, o casal foi defendido por Saiful Malook, o advogado que se notabilizou também na defesa de Asia Bibi, uma mulher cristã, mãe de cinco filhos e que foi também acusada falsamente de blasfémia por ter bebido um copo de água de um poço.

Asia Bibi esteve também cerca de oito anos na prisão, tendo sido libertada em 2018, após absolvição decretada pelo Supremo Tribunal do Paquistão. Hoje vive com a família exilada no Canadá pois as autoridades do seu país não conseguem garantir a sua segurança dadas as contínuas ameaças de morte que continuam a existir sobre si.

Situação idêntica aconteceu agora com Shagufta Kausar e Shafqat Emmanuel. Para Joel Amir Sohatra, um antigo membro do Parlamento Provincial do Punjab e destacado militante cristão paquistanês, este é um caso que demonstra a discriminação a que está sujeita a comunidade cristã no seu país.

De passagem por Portugal, Amir Sohatra gravou uma mensagem de agradecimento por tudo o que foi feito no sentido da libertação do casal cristão.

“Graças a Deus, o nosso irmão Emmanuel e a nossa irmã Kausar estão finalmente numa zona segura. Em nome da comunidade católica, gostaria de expressar a minha gratidão e agradecimento especial à União Europeia pelos seus esforços especiais, por aquilo que fez”, diz Amir Sohatra na mensagem vídeo que gravou para a Fundação AIS.

Apesar de o casal cristão estar agora em segurança num país europeu, este caso revela “a discriminação” que atinge as minorias religiosas, e muito especialmente a “comunidade cristã do Paquistão que enfrenta a pior das situações”, diz ainda o antigo parlamentar.

Joel Amir Sohatra agradece toda a ajuda demonstrada neste caso e mostra-se esperançoso de que, a partir de agora, “o mundo comece a entender o tipo de problemas que enfrentamos”.

De facto, o abuso generalizado da chamada Lei da Blasfémia e a facilidade com que é possível acusar alguém, mesmo através de mentiras ou calúnias, é demonstrativo da insegurança em que se encontram as minorias religiosas no Paquistão. Na mensagem enviada para a Fundação AIS em Lisboa, Joel Amir Sohatra refere esta situação e pede ajuda para as vítimas da Lei da Blasfémia. “Peço, em nome da comunidade cristã paquistanesa e das minorias religiosas, que, pelo mundo inteiro, sobretudo na União Europeia, ergam por favor a vossa voz…” Para este dirigente, a situação que se vive no Paquistão “é péssima” e os cristãos estão a ser tratados “como cidadãos de terceira categoria…”



PA| Departamento de Informação da Fundação AIS | info@fundacao-ais.pt

Comentários

Deixar um comentário
Os campos assinalados com * são de preenchimento obrigatório.

Perseguidos e Esquecidos?

Paquistão

Observatório do país

Os cookies ajudam-nos a oferecer os nossos serviços. Ao utilizar a nossa página, concorda com a nossa política de cookies.
Saiba Mais