Fundação de Ajuda à Igreja que Sofre - Fundação AIS
Rua Professor Orlando Ribeiro, 5D 1600-076 Lisboa, Portugal
(+351) 217544000 apoio@fundacao-ais.pt Fundação AIS 1995
Lisboa
https://fundacao-ais.pt/uploads/seo/big_1585926010_1526_logo-jpg
15 10
505152304

Notícias

CAZAQUISTÃO: Bispos católicos pedem orações pela paz, após os trágicos incidentes que provocaram mais de 200 mortos

13 janeiro 2022
CAZAQUISTÃO: Bispos católicos pedem orações pela paz, após os trágicos incidentes que provocaram mais de 200 mortos
O dia de hoje, quinta-feira, 13 de Janeiro, vai ficar assinalado na Arquidiocese de Maria Santíssima em Astana, a sede episcopal da Igreja Católica, por uma jornada de oração pela paz no Cazaquistão e pelas cerca de duas centenas de vítimas dos conflitos que se geraram nas últimas semanas, após o anúncio dos aumentos dos preços dos combustíveis.

As missas, que vão ser celebradas na Catedral de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, na capital de Nur-Sultan, anteriormente conhecida como Astana, foram convocadas pelo Arcebispo D. Tomasz Peta por ocasião do dia de luto nacional na passada segunda-feira, 10 de Janeiro.

O arcebispo lamentou então “as vítimas”, apelou à comunidade para agir no sentido da resolução pacífica dos problemas do país, e recordou as palavras do Papa Francisco no domingo, após a oração do Ângelus. “O Papa Francisco falou sobre os incidentes no Cazaquistão e confiou o país à protecção de Nossa Senhora Rainha da Paz de Oziornoje”, disse D. Tomasz. “Na sequência do apelo do Papa, queremos também pedir a paz por intercessão da padroeira do nosso país, a Rainha da Paz”, acrescentou.

Também o bispo de Almaty e presidente da Conferência Episcopal do Cazaquistão, D. José Luis Mumbiela, tem apelado à oração da comunidade católica, lembrando o sofrimento e luto que, entretanto, têm ensombrado tantas famílias. “Aqui, em Almaty, agradecemos a todos vós pelas orações, compaixão e preocupações”, disse o prelado numa mensagem enviada para a Fundação AIS. “Queremos recordar nas nossas orações aqueles que mais sofreram”, diz, acrescentando que “as pessoas no Cazaquistão, especialmente em Almaty, não mereciam nada disto…”

O bispo de Almaty sublinha ainda que este é o momento em que as pessoas comuns são chamadas a agir. “Temos de recordar que a paz está nas nossas mãos e depende de nós. Abençoados sejam os pacificadores. Não rezemos apenas pela paz, mas também criemos paz para os outros com a ajuda de Deus.” D. José Luis Mumbiela teve ainda palavras de incentivo para um futuro construído em alicerces de paz e de diálogo.

“Tentemos reconstruir juntos o Cazaquistão que todos sonhamos, com todo o povo deste país e desta cidade, um Cazaquistão internacional e inter-religioso, um Cazaquistão de paz e harmonia, um Cazaquistão que Deus ama e abençoa com o amor especial de Santa Maria, Rainha da Paz desta nação”, afirmou o prelado.

Também D. Adelio dell’Oro, Bispo de Karaganda, no centro do país, lembrou as vítimas, em especial as da sua diocese, “onde muitas pessoas derramaram o seu sangue”, tendo enfatizado que “toda a vida humana é preciosa e [que] a violência não conduzirá a uma nova sociedade, a um novo mundo”. Por tudo isto, disse também Dell’Oro numa mensagem a que a Fundação AIS teve acesso, é fundamental “respeitar a vida uns dos outros e perdoar”. “Só podemos perdoar com o poder de Deus. É por isso que rezamos por todas as vítimas, esperando que tudo seja resolvido em paz, com justiça e para o bem de todos.”

A comunidade católica no Cazaquistão é muito pequena, apenas cerca de 1 por cento da população do país, estimada em pouco mais de 18 milhões de habitantes. Os muçulmanos representam cerca de 70 por cento.



PA | Departamento de Informação da Fundação AIS | info@fundacao-ais.pt

Comentários

Deixar um comentário
Os campos assinalados com * são de preenchimento obrigatório.

Observatório do país

Os cookies ajudam-nos a oferecer os nossos serviços. Ao utilizar a nossa página, concorda com a nossa política de cookies.
Saiba Mais