Fundação de Ajuda à Igreja que Sofre - Fundação AIS
Rua Professor Orlando Ribeiro, 5D 1600-076 Lisboa, Portugal
(+351) 217544000 apoio@fundacao-ais.pt Fundação AIS 1995
Lisboa
https://fundacao-ais.pt/uploads/seo/big_1585926010_1526_logo-jpg
15 10
505152304

Campanhas

NIGÉRIA: Seminarista raptado em 2020 recorda Michael Nnadi morto em cativeiro

Apoiar Campanha
28 fevereiro 2023


Tinha 19 anos quando homens armados invadiram o seminário e o levaram. Foram raptados mais três jovens. Um deles, acabaria por ser assassinado em cativeiro. Kanwai Tablat assistiu a tudo. Passaram três anos e continua a não ser fácil recordar o horror vivido naqueles dias. Os quatro seminaristas eram chicoteados quando os obrigavam a telefonar para as famílias pagarem o resgate. Foi uma experiência aflitiva, mas Tablat mostra-se hoje mais seguro da sua vocação: ser sacerdote…


“Era um dia como outro qualquer à excepção do frio.” As memórias de Kanwai Tablat vão parar muitas vezes a esse dia 8 de Janeiro de 2020. Estava no Seminário Maior do Bom Pastor, no estado de Kaduna, na Nigéria. Tinha acabado de adormecer há uns dez, quinze minutos, quando escutou um grande estrondo. Levantou-se, abriu a porta e viu uma arma apontada. O seminário estava a ser atacado. Todos os seminaristas na Nigéria estão cientes de que a Igreja Católica se tem vindo a tornar num alvo cada vez mais frequente de grupos armados, sejam eles terroristas ou simples malfeitores. Tablat também sabia disso. No entanto, nunca imaginara que um dia iria mesmo passar por uma experiência dessas. Mas esse dia chegou. Foi a 8 de Janeiro de 2020 e fazia muito frio. “Vi uma arma apontada e disseram-nos para sair. Eu pensei: Uau, estamos a ser raptados.”


DIAS DE TORTURA

Mal podia saber os tormentos que estavam para vir. Foram quatro os seminaristas levados pelos malfeitores. Kanwai Tablat, Peter Umenukor, Stephen Amos, e Michael Nnadi, que era o mais novo. Tinha apenas 18 anos de idade. Todos acabariam por ser libertados ao fim de poucas semanas de cativeiro menos Nnadi, que seria assassinado a tiro pelo líder do gangue que atacou o seminário. Já passaram três anos, mas, mesmo assim, continua a ser doloroso espreitar as memórias desse tempo de cativeiro. Tablat diz mesmo que a sua experiência “no covil dos ladrões” foi algo que ninguém pode desejar sequer “ao seu pior inimigo”. Foram dias de tortura. O rapto destes quatro seminaristas teve apenas um propósito: conseguir dinheiro, muito dinheiro das famílias assustadas com a sorte dos seus filhos. Para que ninguém duvidasse do propósito dos ladrões, os jovens eram chicoteados sempre que tinham de telefonar para as suas casas implorando aos pais que pagassem tudo o que era exigido para que as suas vidas fossem poupadas.


A OUSADIA DE MICHAEL

Tablat era seminarista. Naqueles momentos de provação, como é que resistiu a sua fé? “Se eu acho que Deus estava lá? Eu sei que Ele estava realmente lá connosco”, diz agora, olhando para trás, revivendo cada instante, lembrando tudo o que aconteceu. Especialmente o que aconteceu com Michael Nnadi. Mais tarde, a sua história acabaria por galgar para as primeiras páginas dos jornais, quando o líder dos assaltantes foi preso. Mustapha Mohammed assumiu ter assassinado o seminarista por ele ter procurado converter alguém durante o sequestro. Isso irritou-o. Numa breve declaração a um jornal nigeriano, o Daily Sun, pouco depois de ter sido detido, o cabecilha do grupo disse que “não gostou da confiança” demonstrada pelo jovem cristão e que, por isso, decidiu matá-lo. Mas foi mesmo assim que tudo aconteceu? Kanwai Tablat confirma que Michael procurou ensinar um “irmão muçulmano”, que estava também sequestrado, a rezar o Pai Nosso e que isso terá chegado aos ouvidos dos bandidos armados. “Ou eles ouviram ou foram informados. Seja como for, deve ter sido essa a razão da sua morte”, diz o seminarista, acrescentando cheio de convicção: “sangue de mártires é semente da Igreja”.


MEMORIAL DOS MÁRTIRES

A experiência de cativeiro foi dramática. Infelizmente, são cada vez mais os casos de pessoas raptadas na Nigéria nos últimos tempos. É uma ameaça que cresce quase diariamente porque o pagamento dos resgates está a transformar-se num autêntico negócio, mas também por motivos de radicalização religiosa por parte de grupos jihadistas como tem acontecido com o Boko Haram. A verdade é que nenhum sacerdote ou religiosa ou catequista ou destacado membro da comunidade cristã está a salvo. Para Kanwai Tablat, que foi sequestrado num dia frio de Janeiro de 2020, a certeza da fé que o levou até ao seminário está mais robusta do que nunca. “Esta Igreja não morrerá. Quanto mais eles matarem mais ela crescerá. Portanto, devemos viver sem medo e ser fiéis à nossa vocação cristã.” Michael Nnadi era colega de Tablat, sonhava como ele com o dia da sua ordenação sacerdotal, mas esse sonho foi interrompido por uma bala assassina. A comunidade cristã da Nigéria que o viu crescer, que o viu empenhar-se nos estudos, que o conheceu feliz como seminarista, não quer esquecer o seu exemplo. Com a ajuda da Fundação AIS está a ser erguido em Kaduna um Memorial dos Mártires, para manter viva a memória não só de Michael mas de todos os que, nestes dias de turbulência que se vivem na Nigéria, são vítimas do terrorismo, são perseguidos e dão, a todos nós, um extraordinário exemplo de coragem e de fé.




Nesta Quaresma,
lembre-se dos cristãos perseguidos na Nigéria.



Ofereça esperança no meio da perseguição

> Construção do Centro de Adoração dos Mártires em Malumfashi, na Diocese de Sokoto, para dar esperança aos cristãos traumatizados.
> Veículos todo-o-terreno para servir cinco paróquias distantes em áreas isoladas e perigosas na Diocese de Pankshin.

Apoie esta campanha »

Por motivos de segurança dos sacerdotes e religiosas, não podemos comunicar os montantes dos projectos que a Fundação AIS está a apoiar.





Comentários

Deixar um comentário
Os campos assinalados com * são de preenchimento obrigatório.

Via Sacra África

https://fundacao-ais.pt/pt/catalogo/livros-espiritualidade-via-sacra-africa-quaresma
Adquira esta Via Sacra ilustrada »

Sobre a Nigéria

A Nigéria é o país mais populoso de África, com cerca e 206 milhões de habitantes e é igualmente a maior economia do continente.
Mas, por causa de todos estes ataques, de toda esta violência, os cristãos, que representam cerca de 46% da população, vivem por vezes na maior pobreza e não os podemos abandonar.

Boletim Nigéria


Descarregue aqui o Boletim Nigéria e conheça todas as histórias e apelos a que damos voz »
Os cookies ajudam-nos a oferecer os nossos serviços. Ao utilizar a nossa página, concorda com a nossa política de cookies.
Saiba Mais