Fundação de Ajuda à Igreja que Sofre - Fundação AIS
Rua Professor Orlando Ribeiro, 5D 1600-076 Lisboa, Portugal
(+351) 217544000 apoio@fundacao-ais.pt Fundação AIS 1995
Lisboa
https://fundacao-ais.pt/uploads/seo/big_1585926010_1526_logo-jpg
15 10
505152304

Campanhas

IRAQUE: Reconstrução do jardim-de-infância

Apoiar Campanha
2 novembro 2020


É assim em Batnaya. Vai ser assim em todos os lugares, aldeias e vilas. A Fundação AIS está profundamente empenhada no apoio a estas famílias, a todas as comunidades religiosas, para que o regresso a casa aconteça o mais rapidamente possível.

Para que isso se torne realidade, é preciso recuperar as casas, assegurar infraestruturas, reorganizar toda a vida local. É preciso também garantir salas de aulas para as crianças. Nenhuma família aceitará regressar se os seus filhos não tiverem uma escola à sua espera.

Essa é uma missão que as Irmãs Dominicanas levam muito a sério. Em Batnaya, estas religiosas trabalham para a abertura do jardim-de-infância, uma das infraestruturas que a Igreja está a providenciar com o apoio da Fundação AIS. Além do jardim-de-infância, já existe ali um posto ambulatório para cuidados de saúde.

Apoie esta campanha »

O abastecimento de água e electricidade já está também assegurado. Faltam s crianças. Falta pouco para se escutar a agitação alegre das vozes dos mais pequenos, sinal de que a normalida e está de regresso a Batnaya, onde os Católicos Caldeus vivem há cerca de três séculos.

O DIA DA PARTIDA

Mas a Planície de Nínive é uma vasta região e as Irmãs Dominicanas sonham com o dia em que regressarão a todos os lugares onde já estiveram, a todos os conventos, a todas as casas.

É um sonho que cresce de dia para dia. Luma Khuder e Nazek Matty, Irmãs Dominicanas de Santa Catarina de Sena, de Telleskuf, assim como mais 68 religiosas, não tiveram alternativa quando, no Verão de 2014, a região foi tomada de assalto pelos homens de negro.

Tiveram de fugir. Tiveram de abandonar o convento m Teleskuf. Fizeram- -se à estrada. Não havia alternativa. Quando olharam pela última vez para o convento de Nossa Senhora do Rosário, não conseguiram esconder as lágrimas. Estavam a partir. Provavelmente seria para sempre. Mas hoje, é com uma alegria indisfarçada que falam já no regresso a casa, depois de terem vivido como refugiadas em Erbil.

ANJOS DA GUARDA

Foram anos de tormento, mas as irmãs nunca tiveram descanso. À sua volta estavam centenas e centenas de pessoas, famílias destroçadas, homens e mulheres completamente perdidos. As irmãs transformaram- se, naqueles dias cinzentos de 2014, em verdadeiros anjos da guarda.

“Em 2014, assim que chegámos a Erbil, recorda a Irmã Luma, começámos a distribuir alimentos, leite e fraldas.” Era preciso atender todos e cada um daqueles refugiados. Era preciso estar à altura do drama que se estava a viver por ali. Os jihadistas expulsaram as irmãs do convento em Teleskuf. E elas responderam criando vários conventos em Erbil…

Esses conventos improvisado tornaram-se sinal do afecto da Igreja por todos os desalojados que ali desaguavam depois de terem sido expulsos de suas casas, das suas aldeias, dos lugares onde sempre viveram.



Foto: Antes da destruição e ocupação do Daesh existiam 124 crianças em Batnaya e frequentavam o jardim-de-infância gerido pelas irmãs Dominicanas


JÁ FALTA POUCO…

A situação em Batnaya ainda é desoladora. Perto do final da ocupação desta cidade pelo Daesh, o grupo terrorista usou a cidade como linha da frente enquanto bombardeava as tropas curdas em Telleskuf. Por esse motivo, Batnaya está marcadamente, mais danificada do que outras cidades cristãs na Planície de Nínive, com uma proporção substancialmente maior de casas totalmente destruídas.

De 2011 até hoje, enviámos mais de 48 milhões para os nossos irmãos no Iraque. E nada dá mais confiança do que a reconstrução das suas igrejas, conventos, escolas destruídas, como também a reconstrução das habitações destruídas é uma preocupação fulcral da AIS no Iraque. Até ao momento, já reconstruímos 2.865 casas, principalmente em Baghdeda, a maior cidade Cristã do Iraque.

“Se não fosse a ajuda de cristãos do mundo inteiro, não haveria mais cristãos aqui.” Padre Georges Jahola

O jardim-de-infância dominicano em Batnaya, gerido pelas irmãs do Convento de Santa Oraha, ficou totalmente destruído. Onde em 2014 estudavam e rincavam 124 crianças, hoje é um monte de ruínas.

Agora, estas mulheres que decidiram entregar as suas vidas a Deus estão prontas para regressar a casa. A Fundação AIS está envolvida nesse projecto extraordinário de levar os Cristãos de volta para a Planície de Nínive. Será o regresso ao futuro dos Cristãos às terras bíblicas…

> A presença das Irmãs Dominicanas e o apoio às crianças e suas famílias são vitais para o regresso dos Cristãos às suas casas.

PROJECTO: RECONSTRUÇÃO DO JARDIM-DE-INFÂNCIA DAS IRMÃS DOMINICANAS

Antes da ocupação do Daesh existiam 124 crianças em Batnaya. Espera-se que, depois da reconstrução da cidade e do regresso das famílias, o jardim-de-infância acolha cerca de 90 crianças.

A educação é o alicerce do futuro, também para os Cristãos no Iraque. Sem oportunidades de educação para os filhos, ninguém regressa. Até ao momento já regressaram 75 famílias e são aguardam- e mais 150 famílias nos próximos meses.

Estas crianças merecem ter uma infância feliz e acesso à educação.

215.000€ para a reconstrução do jardim-de-Infância

1 SACO DE CIMENTO = 20€

COM 300€ É POSSÍVEL ADQUIRIR 15 SACOS DE CIMENTO PARA INICIAR A RECONSTRUÇÃO DO JARDIM-DE-INFÂNCIA 

VAMOS AJUDAR?

Apoie esta campanha »

CAMPANHAS RELACIONADAS

Comentários

Total de 1 Comentário(s)
DEISI M S G LOBO
Fico extremamente feliz em saber que existem tantos santos na terra ajudando o próximo. Por outro lado, fico triste por tanta violência e maldade contra os cristãos. Os cristãos perseguidos são testemunhas vivas de fortaleza e a FUNDAÇÃO AIS é um acalanto para o mundo. Contribuo sempre com a maior alegria.
Deixar um comentário
Os campos assinalados com * são de preenchimento obrigatório.
Catálogo de Natal Fundação AIS

RELATÓRIO MÉDIO ORIENTE »


 

CATÁLOGO DE NATAL

Os cookies ajudam-nos a oferecer os nossos serviços. Ao utilizar a nossa página, concorda com a nossa política de cookies.
Saiba Mais